Cada um tem dentro de nós...algo muito mais importante do que nós mesmos...


o seu DOM! :D

sábado, 14 de agosto de 2010

Espelho Colossal! :)


Há anos que tentava encontrar uma explicação, um motivo explícito e concreto para situações “repetitivas” na minha caminhada! A cada passo que aos poucos arriscava dar, deparava-me sempre com as mesmas paisagens, planícies, vales, árvores, flores e até os mesmos aromas! Os cheiros pareciam mágicos, ganhavam forma, entranhavam-se em mim e subitamente desapareciam como um sopro proveniente de dentro. E tudo me parecia único, mágico, surpreendente!

Caíam presentes aos trambolhões do céu…e eu desembrulhava-os com uma curiosidade tão aguçada como a de uma criança que apenas se consegue expressar com os seus sons vocais. Era uma curiosidade que se espelhava no olhar. Num olhar ansioso! Num olhar brilhante! Num olhar penetrante!

Cada presente continha um espelho! Todos eles eram coloridos! Uns estampados, outros lisos, porém todos distintos uns dos outros! Em todos eles procurava a minha imagem! Um espelho que reflectisse a verdadeira identidade daquilo que sou aos olhos das paisagens, das planícies, dos vales, das árvores, das flores e dos aromas!

Porém, num dia enquanto caminhava decidi parar e observar de forma atenta todos os embrulhos outrora descobertos. Nessa observação minuciosa, dei por mim a olhar-me a todos os espelhos que me tinham sido ofertados. Todos eles reflectiam imagens diferentes da minha realidade. Na maioria aparecia desfocada, com cores distintas, com contornos irreais. Foi a partir dessa análise que decidi parar de desembrulhar presentes. Segui caminhando, dando passos combinados com a minha alegria de querer descobrir o que o Universo me ia proporcionar. Não pedi presentes, embrulhos ou laços coloridos. Pedi discernimento, sabedoria, inteligência a quem sabia que me poderia conceder. As prendas iam caindo e mesmo sabendo que eram espelhos únicos e mágicos, decidi manter cada embrulho fechado e tal e qual no mesmo sítio em que caíam. Alguém que seguisse atrás de certo que apanharia aquele presente e o desembrulharia.

Verbalizei…e transformei em palavras todos os meus desejos! Fiz, inclusivamente uma palestra para uma imensidão de SERES acerca deste constante aparecimento de prendas, presentes ou mimos! Especulei, questionei aquela plateia e esperei que todos opinassem. Deixei fluir, sem forçar opiniões, criticar ou julgar!

Esperei simplesmente que todos aqueles SERES se pronunciassem e me indicassem outro caminho a seguir! Sem pressa, sem inquietude, sem medo do rumo a seguir concentrei-me no meu SER, conseguindo revelações surpreendentes.

Era como se me sentisse um cristal redescoberto! Mas procurava enxergar a olhos vistos explicações concretas e especificas para as constantes repetições.

Subitamente durante a minha caminhada deparo-me com um entroncamento e é o tal momento de decidir se prossigo, se inverto todo o sentido. Avanço…e encontro uma luz adormecida e quase a apagar-se! O espaço, o ambiente não permite que ela brilhe. Mas o brilho é de tal forma intenso que me atrevo a aproximar-me! É um espelho! Não está embrulhado em papel colorido ou estampado. É um brilho natural, que ninguém percebe, que ninguém entende!

Fixo os meus olhos nele…e observo-me! As lágrimas saltam dos meus olhos e é incontrolável esta estranha sensação que me invade. Pela primeira vez, reconheço-me e observo-me na minha essência!

É uma luz que entende o Universo, e todos os sentimentos humanos ficam muito mais pequenos quando vistos desta estranha forma de enxergar. Naquela imagem não existem corpos belos ou corpos feios, porque ambos fazem o mesmo percurso, ambos são parte visível da alma. Um reflexo tão brilhante como um Sol, um Sol que passou a iluminar a minha vida!

Todos possuímos o nosso Dom, apesar de não querermos admiti-lo ou descobri-lo. Eu aceitei aquela luz, aquele espelho da minha alma, da minha essência – e este encontro com o meu Dom, com o espelho da m/ essência – é o meu encontro com o Mundo.

O Universo colocou-me em movimento. Encontrei-me com o Mundo, comigo, com aquele espelho espantoso, extraordinário.

Esta descoberta é tão semelhante a um vulcão, cujas suas explosões são capazes de transformar Invernos em Verões, Outonos em Primaveras... mas é no toque da suavidade e da magia que surge a transformação do curso da vida! :P

“As pessoas oferecem espelhos porque nos espelhos está a imagem reflectida daquilo que somos quando entramos e saímos de casa. É quase um hábito rotineiro. Algo que fazemos diariamente. Quem tenta possuir um espelho, verá a sua beleza murchar. Quem encontra um espelho sem sequer o querer possuir, descobrirá a sua essência de uma forma colossal.” :)

Sabia que as repetições teriam um término. Aquela palestra não foi em vão. Porque eu sabia que tudo se iria transformar. Por isso, continuei a minha marcha. Apenas por ter a certeza da sua existência é que continuarei a existir. :)

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Vamos aprender a SER FELIZ? :P

(…) precisamos aprender a felicidade. Sim, a felicidade aprende-se, não vem pronta. A felicidade são plantas e jardins que podem ser cultivados.



A felicidade se faz, não se acha! :P

domingo, 1 de agosto de 2010

Projecto de Alma! :)


É um animal semi-aquático, com forte capacidade de se movimentar em diferentes espaços. Interage com o "mundo aquático" assim como também como o "mundo terreno"! Uns verdadeiros roedores da matéria física! Este DOM proporciona-lhes ultrapassar obstáculos, transpor forças naturais e chegar à outra margem com a certeza de que o esforço foi recompensador! Têm pêlo, e em tempos as suas influências foram determinantes no desenvolvimento da sociedade humana num dos Continentes.
E estaria aqui a descrever ou a enumerar uma série de características que nos fizessem chegar ao verdadeiro nome deste animal. Nunca gostei muito de adivinhas, por isso pouparei tempo na descrição e irei directamente ao assunto. Tratam-se de castores!
E porquê castores?!? Eu própria também não sei! Foi um animal que hoje me ocorreu enquanto conduzia num dos meus percursos habituais. É sem dúvida um animal que nos passa ao lado, quando nos pedem que pensemos num SER vivo preferido ou pelo qual temos admiração. Surge sempre a ideia de um cavalo, pónei, gato, hamster ou de um golfinho. Talvez a explicação esteja no facto do animal não existir no nosso País.

Mas, debrucemo-nos no seu SER!
A sua essência aliada às suas características leva-os a construírem diques em rios que se tornam os seus lares, criando assim represas ou pequenas barragens que acabam por bloquear a corrente de água. Utilizam troncos de árvores, que derrubam com os seus poderosíssimos dentes. Este trabalho tão pertencente ao estes SERES pode levar a pensar que prejudicam o ecossistema, pela destruição de árvores, entre outras coisas. Porém, cientistas provam o contrário! Pensemos! As pontes que constroem propiciam a criação de espaços húmidos e leva-os a controlarem as inundações e à eliminação determinadas "contaminações" da água!
E tudo é perfeito e completo! São SERES pertencentes ao Universo e são o reflexo dele - perfeito e completo!
Já ouvi diversas opiniões acerca do animal melhor amigo do homem - o cão - do que manifesta mais carinho e afecto revelando-se um verdadeiro exemplo a seguir - o gato - entre outros seres que se movem na imensidão do Universo.
Todos nos servem como exemplo a seguir...mas os castores são um exemplo "delicioso" que merece a nossa atenção!
Seguimos nesta caminhada embalados pela corrente. A vida apressada, o hábito, a rotina levam-nos por águas de "enxurrada", pelo leito do rio, e nesses momentos nem sabemos onde iremos parar! As águas podem estar contaminadas, o calor pode ser intenso demais e sem percebermos podemos cair de um precipício, numa cascata ou num abismo. O castor é perspicaz! Está atento ao leito, à vegetação existente. Estuda de forma atenta qual o melhor local para construir o dique, a barragem ou melhor, "a sua toca"! Aventura-se no leito do rio ou do ribeiro, mas com sabedoria e discernimento analisa quando deve parar para construir. Daí a sua adaptabilidade a diferentes meios - o aquático e o terreno!
Muitas vezes vagueamos completamente nus, sem um escudo, uma lança ou uma espada que nos proteja em determinados momentos no nosso percurso. Simplesmente deixamo-nos levar! Deixamos de perceber que as armas existem dentro de nós, para nos protegerem, para crescermos, evoluirmos ou atravessarmos "a outra margem da questão". O coração e o pensamento - são "no meu ver" as nossas armas naturais (poderosíssimas) - tal como os dentes incisivos do castor. Cortam, roem, mas constroem! Da mesma forma, deve-se deixar agir o coração e o pensamento com o intuito de construirmos as tais pontes/barragens que necessitamos dentro de nós para mergulharmos na corrente, mas conscientes de que a qualquer momento saltamos e permanecemos espectadores – suspensos olhando o leito de cima!
Somos preguiçosos! Estamos cansados, e é muito mais fácil flutuar nas águas do que ir contra a sua corrente! Mas, são esses diques que nos proporcionam espaços húmidos, "lufadas", rajadas de ar fresco...
Não é ao acaso que nos dias de Sol só nos apetece é Sol, praia, festas...e quando os dias começam a surgir nublados/frios preferimos permanecer nas nossas tocas "internas" ao calor da nossa própria fogueira!
São esses momentos de introspecção que nos ajudam a atravessar as tais pontes internas que preferimos manter fechadas, talvez com medo da altura, do comprimento ou da dimensão que possam ter!
Entretanto, quando internamente decidimos construir/atravessar a ponte...percebemos que foi deveras recompensador chegar à outra margem! Trajecto/percurso seguro e protegido! Surge-nos rapidamente palavras como "continuidade ou confiabilidade"! Meio caminho andado para querer prosseguir a nossa caminhada em pontes, em nutrir um profundo desejo em construir com a magia do coração e do pensamento diversas pontes nas nossas vidas, sabendo de antemão que essa construção é recompensadora e enriquecedora.
Confesso...que não me sinto "externamente" semelhante a um castor de água doce! Ao contrário dele... adoro a água salgada - o mar - meu amigo e conselheiro!
Mas...pensemos nele, usemos os seus cinco sentidos: O tacto existente na película exterior da sua pele, o olfacto existente dentro do nariz, a audição existente no ouvido interno, o paladar existente nas papilas da língua e a visão existente na retina dos olhos.
Usemo-los com a consciência do coração e do pensamento em comunhão com a alma!

Será num toque de alma,
Será em “cheiros” de alma.
Será num ouvir de alma,
Será num sabor de alma,
Será num olhar de alma,
Sem usar estes cinco sentidos com o toque de magia proveniente da nossa alma, do nosso EU mais profundo…essas pontes cairão sem nunca as termos atravessado!

Quando construídas com a n/ essência consciente e desperta…
Essas pontes tornam-se ETERNAS…IMORTAIS e fazem da nossa caminhada uma verdadeira obra arquitectónica! :p

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Ilusão Surpreedente :)


... começo com reticências "porque existem sentimentos que não consigo transpor para este espaço"!
Um acordar mágico, um percurso sonhador, um desempenho de funções que não foi mais do que deixar o coração falar!
Decidiu-se tranformar os locais habituais, inclusivamente o nascer e o pôr do Sol. De coração aberto "concedi" ao Universo a hipotese de escolha. De três pedaços de papel foi eleito apenas um. Sorri! Não era de todo aquele espaço que pretendia transformar.
Internamente senti todo o meu corpo a vibrar...e segui de forma serena, tranquila. Não esperava nada, não ambicionava nada!
Desejava apenas magia, interesses mutuos, formas de estar unificadas, sorrisos sinceros, olhares de criança e simplicidade na vida!
Deixei-me ir como que embalada pela corrente de um Rio, sabendo de antemão que haveria de "encalhar" num rochedo, numa margem ou na flora existente.  Talvez num pedaço de junco, de salgueiro, de choupo ou de freixo. Poderia ter atacada por garças-reais, cegonhas-pretas, seres voadores que sobrevoam este mundo mágico. Ocorreu-me também sofrer uma "embuscada" e ser "pescada" como uma verdadeira boga, carpa, enguia ou perca.
As ideias ocorreram-me! Afinal era uma transformação relacionada com o espaço, e por norma quando entramos em mudança temos de estar abertos a todas as eventualidades que possam surgir. Porém, ignorei todos os pensamentos que a minha mente fabricou e com a ajuda do meu Guerreiro do Arco Iris transformei-os no interior do meu coração. Ele ganhou pernas e a cada momento parecia ganhar ainda mais balanço e ousadia.
Em determinado momento, a magia surgiu! Mas, ao contrário de todas as anteriores, esta foi reflectida externamente pois imensos objectos desapareceram! 
E foi o inicio do conhecimento da transformação! O discurso iniciou-me, os temas saltaram do mais profundo dos seres e foi-me presenteado  o melhor análgésico do MUNDO! :)
Um turbilhão de sensações desencadeou-se e despoletou em mim sorrisos titâncios sucessivos. Afinal, havia tanto para exprimir, aprender, partilhar e evoluir!
A energia cósmica apoderou-se do meu SER e sentia-me como que a baloiçar! Olhares de crianças, sorrisos infantis e até aquele objecto  foi enxergado coberto de bolas de futebol coloridas, tal qual como um dia tinha percepcionado!
Uma tranformação tão intensa como "a intensidade do Sol, um brilho de uma estrela e a força de um Planeta"!
Regressei à pouco ao meu espaço habitual...
Levei na bagagem "desejos de magia, interesses mutuos, formas de estar unificadas, sorrisos sinceros, olhares de criança e simplicidade na vida"...e agora olho para a mochila que levei comigo e está a transbordar dessas realidades.
Desejos que se transformaram em momentos! Em pequenos momentos, momentos esses que ficam guardados na parte principal do meu baú e que recordo com uma alegria que se manifesta em mim.

(termino com um ponto final, porque este foi um momento que "consegui descrever, relembrar e reviver")

Os sentimentos nunca se conseguem redigir ou trancrever...são algo que se sentem no momento. Em contrapartida, os grandes momentos possibilitam-nos sempre a hipotese de os trancrever/transpor para o nosso caminho, independentemente do percurso, da direcção e do destino que nos leva! :P



quarta-feira, 30 de junho de 2010

Guerreira da Arco Iris :P


Apaixonei-me na "escola da montanha"...e ali todos os SERES...cegos de ternura, brincavam e transformavam as suas "virgindades" em ilusões!

 
Na distância continuam a ressonar os tambores e as vozes do acampamento que cantam...e encantam o meu coração! :)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Guerreiro Colorido :P

- Não os deixes entrar! Deixa-os à porta! Não lhes batas...manda-os seguirem a sua viagem e encontrarem um espaço onde possam pernoitar! - disse-lhe.
Ele não me respondeu. Como sempre desempenhou a sua tarefa de uma forma árdua e eficaz! Como eu o amo! Ele não contesta, limita-se a aceitar as minhas palavras e a respeitar as minhas decisões. É alto, musculado, moreno e os cabelos castanhos encaracolados tocam-lhe nos ombros. O Sol que todos os dias apanha assemelham-no a alguém de descendência africana. Não sei de onde veio ou porque veio.
Há uns tempos atrás dei pela existência dele. Estava parado à porta e o silêncio era a sua grande caracteristica. Quando nos cruzámos esboçou um sorriso mágico e a partir daquele momento passei a confiar inteiramente nele. É talvez o meu Anjinho Protector. Permanece em sentido à porta da parte mais traiçoeira que existe dentro do meu SER: a minha mente! Guerreia contra os pensamentos que tentam entrar em mim...e é perfeito em cada golpe que efectua. Poderia ser indelicado, violento ou agressivo, mas não! É um SER que age com o coração . As suas palavras são delicadas, ternurentas, afáveis e amorosas.
Os pensamentos que tentam entrar, ao ouvirem a melodia das suas palavras depressam transformam-se e esboçam um sorriso estupefacto. Admiram-se com tamanha forma de persuadir, de convencer ou até mesmo de impedir a sua entrada. Encolhem os ombros, pensam que ele não passa de um soldado louco e estranho e ao não entendê-lo viram as costas e partem apressadamente. Limitam-se a não aprofundarem a sua forma de estar e de guardar aquele espeço que existe dentro de mim. São pensamentos moribundos, sem essência, conteúdo, projectos ou sonhos. As suas vestes exteriores lembram as de um sem-abrigo. São velhas, incolores e estão gastas pelo tempo e pelos percursos inconstantes que efectuam.
Não fazem parte da minha essência, do meu mundo de magia! O meu guardião veste roupas coloridas que nos reportam o pensamento imediatamente para o Arco-Iris. É um Guerreiro do Arco-Iris. A sua farda possui todas as cores, simbolo de todas as qualidades: o seu coração revela o seu Amor ao estar ao serviço de algo com um verdadeiro sentido, a sua ligação à Terra fazem-no sentir os pés bem assentes levando-o a ter certezas, convicções e objectivos, a sua garganta reflecte toda a simplicidade e profundidade das suas palavras, a sua 3ª visão/inspiração que lhe concede todo o discernimento para distinguir os maus dos bons pensamentos. É um Guerreiro Perfeito! As cores mantêm a sua luminosidade o seu brilho, a sua cor, a sua tonalidade.
É magia! É perfeição! É essência! A influência exterior não interfere com o seu EU!
-Sabes Otilia, sempre estive aqui em silêncio! -disse-me.
-Sempre!??? Só podes estar a brincar! - retorqui-lhe.
-Sim, sempre estive! Há pouco tempo é que me descobriste! Ainda não tinhas percebido? - questionou-me.
Na verdade, nunca antes o vira! Talvez por ter passado imenso tempo dedicada ao exterior, ao TER...ao invés de SER! Parei , entrei em introspecção e observei-o de dentro para fora. Desbanalizei e Unifiquei! Recrio, Crio...Sonho e materializo esses sonhos dentro e fora de mim.
Sempre idealizei um guardião da minha alma, sobretudo da minha mente! Ela é traiçoeira! Uma verdadeira feiticeira! Enfeitiça-me...
No entanto , a beleza, a essência, o arco-iris daquele homem efeitiça-me! Ele é diferente! Existe...e existirá sempre! Tal como ainda a minha vontade de exprimentar os sapatos altos    
da minha mae, a sua maquiagem e até a sua roupa.
A beleza dele reporta a minha memória para os meus tempos de criança... que ainda revivo ...recordo e SOU !
Os meus olhos brilham como os de uma criança... onde a inocência , a ousadia, a liberdade coexistem. Sou uma criança que ainda brinca com o par de patins, as barbies ou com os nenucos!
Acredito que o AMOR está presente numa papoila, numa árvore, numa andorinha, num ninho de cegonhas, num regato, numa floresta encantada...ou simplesmente num vale paradisiaco.
Quando olho à minha volta, sinto, cheiro, vivo e observo o AMOR presente em todas as coisas e isso é a MAGIA da vida!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Caminhadas pararelas, porém tão distintas! :)


Todos os dias o caminho termina para alguns seres que habitam este pequeno pontinho do Mundo a que chamam Planeta Terra.
Durante a caminhada, a maioria vive embrenhado com o TER, ao invês de se focalizarem no SER!
Entre TER e SER existe uma ponte invisivel que muitos ousam em compreender e em entrar!
Porém...no momento em que partimos, não levamos a conta bancária, o carro, a casa...o estatuto, o poder! Tudo isso se dissipa junto com o nosso ego pois são pura matéria!
E eu pergunto-me, valerá toda uma vida de sacrificio em prol de "nutrientes, sais minerais, vitaminas e proteínas" que alimentam o nosso ego?
Não sei!
Nesta vida, eu predispus-me a levar comigo os momentos, as sensações, os sentimentos, a alegria, a felicidade, a euforia, a ousadia, o equilibrio, a paz, a determinação, o sucesso interior, a prosperidade do meu SER!
Quando diariamente observo as partidas deste mundo tão construído de matéria, percepciono que todos levamos inevitavelmente "pedras nos sapatos". São eles, os karmas, as situações mal resolvidas, os desentendimentos, os momentos de tristeza, de melancolia...!
Olhando para o meu SER...e reportando a minha mente para um momento sublime da minha vida...eu SINTO que ao invés de "pedras nos meus sapatos", eu transportarei comigo partículas de pó que se irão evaporar com uma rapidez estonteante!
Nesta vida...
Eu predispus-me a VIVER,
a SONHAR,
a AMAR,
a ACEITAR,
a ABRAÇAR,
a SER...
...na minha essência mais genuína e verdadeira! :P

segunda-feira, 12 de abril de 2010

A minha definição de Beijos... :)

Os beijos!!!???

Beijos...uma demonstração de AMOR!

Ás vezes o sentimento é tão grandioso e majestoso que os beijos saem de dentro de nós aos saltos, de forma desordenada e tantas vezes desequilibrada! Adoram um pescoço, um dedo, uma mão, um braço, uma orelha, uma bochecha, um sinal de nascença tantas vezes esquecido, uma boca, um nariz...

Amam todas as partes de nós e dos outros! Unem-nos com o sentimento de UNIDADE...como que uma soma fusional onde 1+1=1...

Os beijos!

Sentem-se e cada beijo é sem dúvida um pedaço de betão para a construção de uma ponte!

Aquela ponte que nos conduz ao castelo...

Aos castelo do AMOR! :)

domingo, 11 de abril de 2010

Asas que surgiram...:)


É madrugada e oiço os pássaros lá fora! Eles cantam e entoam uma melodia que me entra pelos ouvidos. Estão em comunhão, ligados, interligados uns nos outros e com a nossa Mãe Gaia!

Os sons são distintos, mas ao embrenhar-me nesses sons consigo percepcioná-los um a um! Imagino-lhes a cor, o aspecto, a "penugem"! São pássaros felizes, livres e amantes da sua criança! Voam...cantam...observam...sentem...e vivem! São talvez as únicas coisas que sabem fazer...são possuidores de uma magia alcançavel...real...verdadeira! E nós? O que somos a mais do que eles?!

Nada...somos um espelho!

Voamos quando nos predispomos a isso...cantamos quando queremos espelir tudo o que absorvemos neste percurso...observamos quando queremos entender ou interiorizar algo...sentimos porque faz de certa forma parte da nossa condição...e vivemos porque simplesmente isso nos faz felizes!

Tal como eles ganhei umas asas...

Foi na partilha inicial,

Foi num jogo de grupo onde trabalhámos a confiança,

Foi numa actuação onde fomos nós " O EU " perante uma assistência atenta e observadora,

Foi num momento de interiorização que despoletámos a nossa criança e onde sem darmos conta fizémos mexer aquelas penas escondidas em algumas daquelas "almofadas" que inudavam o lugar...

Foi numa viagem ao centro de nós...onde mergulhámos sem medo do fundo, sem medo de nos faltar o ar...sem medo de viver!

E ...renasceram aquelas asas...

Abri os olhos e já não estava dentro do casulo...Ao invés do meu aspecto de lagarta...virei uma borboleta voadora! E voei na imensidão daquele céu...

Agora observo o panorama visto de cima...e é tudo tão mais fácil, tão mais simples!

As perguntas que outrora surgiram...encontraram agora um poiso!

Percebo...Entendo...Defino!

Traço linhas rectas e construo um desenho geométrico...onde a combinação perfeita das linhas traçadas formam uma autêntica obra de arte!

Se foi fácil? Foi necessário afiar o lápis...encontrar a régua certa...e uma borracha "ao serviço" capaz de não apagar na totalidade...mas de transmutar todas os rascunhos e linhas desenhadas em tempos!

Por vezes quando traçamos uma linha...fazêmo-lo sem pensar...é talvez aí que esteja o verdadeiro DOM dos grandes pintores e artistas!

Mas nem sempre a primeira linha é aquela que melhor se enquadra na construção daquele conjunto...e aí é necessário actuar...de forma racional...com a nossa mente!

Posteriormente é fundamental canalizarmos esse pensamento para o nosso coração...para que possamos redescobrir a forma mais mágica e "infatil" de tornar tudo mais articulado, mais equilibtado!

E é aí que tudo se inventa, redescobre, define!

Com a energia nós materializamos o nosso querer mais verdadeiro...e criamos!

Eu crio mudanças...

O Universo coloca-me respostas no caminho...

E eu absorvo-as na sua totalidade...e de uma forma fluida, livre e despreocupada!

AMO...AMO MUITO!

Simplifico...Sinto...Transformo! 

...Traço linhas...e Sonho!

E quando sonho...percebo a dimensidão das minhas asas...qual borboleta, qual pássaro!?!?

E aí...voo...canto...observo...sinto e VIVO!  




sábado, 3 de abril de 2010

SAPATOS MÁGICOS :)

Num destes dias enquanto tirava umas fotocópias, observei uma folha de papel numa parede junto á fotocopiadora. Estava ligeiramente ao mesmo nível dos meus olhos. Era uma frase que dizia que "a felicidade é um caminho que se percorre caminhado". Sorri e aí interiorizei.

Caminhado? - pensei.

Quando a nossa mente se reporta a este verbo que incide de imediato sobre um movimento com os membros inferiores, existe um bem indispensável que surge de forma inconsciente no nosso pensamento: os sapatos.

E os sapatos? O que revelam de nós? Quais as consequências da escolha dos nossos sapatos nesta caminhada que é a vida? A escolha que fazemos quanto á textura, à resistência, à confortabilidade, ao tecido trará alegria a mim e aos que me rodeiam?

Durante o resto do dia, tentei imaginar o formato dos meus sapatos, o tamanho da "sola", a textura do tecido, se de pele, se de ...

E imaginei...consegui visualizar...e até senti-los nos meus pés!

Eram baixos...sem nenhuma altura. Fechando os olhos, consegui visualizar e sei que não tinham mais do que milimetros de altura.

Porquê? Porque somos todos IGUAIS...não existem superioridades/inferioridades ou grandezas. Criamo-las com o poder da mente e com as pessoas que interagem conosco. Somos enssencialmente UNIDADE...

Não eram pontiagudos...terminavam num meio círculo!

Porquê? Porque sendo pontiagudos correm o risco de tropeçar em pedras ou pedregulhos que se atravessem no caminho. Por vezes, provocam num simples piso, numa pedra da calçada ou numa simples escadaria uma paragem obrigatória.

Porquê? Porque é importante não tropeçar, não parar e não hesitar nesta caminhada que é a vida.

O tecido era extremamente maleável. Tão confortável que por vezes me sentia descalça.

Porquê? A existência de um tecido menos confortável porpociona o aparecimento de calosidades dos nossos pés, impedindo-nos por vezes de continuarmos o nosso percurso de forma correcta e acertada. Contrabalançamos e é necessário muitas vezes a ida a um especialista para nos voltármos a sentir como dantes.

Era um tecido colorido. Não consigo definir o padrão. E tinham atacadores. Atacadores que se encontravam desatados.

Porquê? A abundância de cores são o reflexo do nosso estado interior. Se existiem cores em abundância é de certo porque o nosso EU se encontra equilibrado a todos os níveis. E atacadores??!! Os atacadores são os fios que sustentam os nossos sonhos, sonhos que comandam a nossa vida. E porque estão eles desatados? Porque os sonhos nunca têm término...são infinitos, são eternos...os sonhos formam "malhas" de cordão e é com eles  que nos envolvemos. E é com esses cordões que nos mantemos cheios de entusiasmo e alegria pela vida! 

Quantas vezes sentimos aquela "ponta" do atacador a descair do nosso sapato?  Ás vezes ela simplesmente caí e só momentos mais tarde tomamos consciência através do poder da visão.

E porquê? Um verdadeiro SONHO surge sem agir, vê sem olhar e realiza sem fazer.

A inteligência do Universo é livre e despreocupada, essa é a verdade!

Quantas vezes ambicionámos algo e concentrámos todos os nossos pensamentos naquele sonho?

E na maior parte das vezes...esse SONHO torna-se em realidade quando já não estamos empenhados em concretizá-lo?

Acabo de visualizar novamente os meus sapatos...sinto-os!

Têm "buraquinhos" laterais para evitar a transpiração e o aquecimento dos meus pés. Não transpiro, nem me preocupo com a forma com os atacadores estão colocados, se laterais ou cruzados.

Não me preocupo com nada!

Olho o infinito...e caminho livremente!

Sou aquilo que sou!

E calço aquilo que calço!

São sapatos mágicos?

Não sei...

TUDO na vida tem a sua magia! Até os sapatos...

...são sapatos que me acompanham nesta m/ caminhada...

...onde impera a unidade, a sobreposição de passos gigantes...

...sem paragens forçadas, sem hesitações, sem medos de sonhar!

Caminho...agora sem olhar para os sapatos que trago comigo! Sinto-os...e haverá algo tão/mais importante do que sentir?

Sinto a magia a invadir os meus pés...flutuo e estou suspensa!

São os SONHOS que me movem...são cordões desatados que inteligentemente se tornarão reais...porque são enssencialmente livres e despreocupados! :-)

















domingo, 28 de março de 2010

Palavra do dia - Opções :)

É madrugada!

Um dia longo, cansativo, desgastante...porém, estou revitalizada, cheia de energia...FELIZ!

Durante o dia ao serviço da Comunidade...à noite ao serviço do AMOR!

Interiorzei a palavra "OPÇÕES"...

Transmutei com a magia das palavras, mas especialmente com a partilha!

Ser a vítima, ser o sofredor, ser a "ovelha negra do rebalho", ser infeliz, ser triste, ser chorão...é pura e simplesmente uma opção.

Ser feliz, alegre, sorridente, bem-disposto, contente, bonito interiormente...é pura e simplesmente uma opção.

Depende sobretudo das opções que colocamos na nossa caminhada, no nosso percurso físico.

Logicamente que são opções que não se tomam de forma radical...levam algum tempo a serem semeadas, cultivadas, germinadas e por fim a serem saboreadas.

O mundo dá-nos tudo aquilo que tem. Basta pedirmos, basta amorosamente manter um discurso cuidado e verdadeiro com ele. Ele ouve-nos!

Ele sente-nos.

Ele dá-nos sinais e cabe-nos a nós interiorizarmos ou não.

Ou aceitamos ou ignoramos. Mas ignorar não é de todo a forma mais correcta de viver. É dessa forma que tudo perde o encanto e a magia. Porque viramos as costas e voltamos a cometer o mesmo erro.

É necessário transmutar...e na maioria das vezes isso só acontece quando partilhamos, quando nos rendemos a outras pessoas que o Universo coloca no nosso caminho.

Foi bom ouvir-te,

Foi bom olhar-te inicialmente,

Foi bom emocionar-me interiormente,

Foi bom dar-te as mãos,

Foi bom abraçar-te,

Foi...uma transmutação no brilho do olhar...

...na expressão...

...no sorriso...

Foi mágico...único!

Mas foi melhor ainda...quando nos despedi-mos!

Estavas...mais encantadora...mais maravilhosa, mais BONITA! :)

sexta-feira, 26 de março de 2010

Momento Mágico :)




Chamava-se Júlia Meireles.

Cabelos grisalhos e na casa dos 75 anos. Era invisual. O ar falatva-lhe.

A respiração era incerta e a voz quase que lhe fugia da garganta.

A ansiedade apoderara-se dela e o negativismo instalara-se.

Olhei-a fixamente e enviei-lhe todo o amor que naquele momento possuia dentro de mim.

LUZ!

Muita luz também encaminhei para aquele ser tão frágil, tão débil. Preferiu ir sentada a deitada. Concordei com a decisão dela e juntei a minha mão com a dela.

Unimo-nos juntas ao Universo. O mundo parou. Deixou de conspirar. Coloquei a minha mão nas suas costas, como se de um abraço se tratasse.

- D. Júlia, cheire uma rosa e sopre uma vela! - disse-lhe.

E ela seguiu a minha sugestão com algum esforço de pensamento.

- Sou cega, minha Senhora. - disse-me.

Fiquei sensibilizada. Até então não tinha percebido!

- D. Júlia, tão importante do que VER é SENTIR. Consegue sentir as minhas mãos? - Retorqui-lhe.

- Sim, estão muito quentes. - Respondeu-me.

No percurso para o Hospital conversámos sobre a beleza e a essência das pessoas. Concluímos que o exterior é algo passageiro e que o fundamental é aquilo que levamos conosco ao longo da nossa caminhada. 

ERA, É...uma pessoa muito bonita! Carente de afecto, talvez! Entreguei-lhe todo o meu SER naquele percurso...amei-a de forma profunda, desejando que o ar voltasse a invadir aquele órgão tão "oco" de AMOR!

Aos poucos...o AMOR foi entrando através das suas narinas...os pulmões inspiraram e expiraram AMOR...e quando a olhei fixamente, questionei-me se de facto era mesmo ela.

Respirava com naturalidade e sem muito esforço consegui roubar-lhe um SORRISO! :)

GRITO...SINTO...AMO...CRIO... :)


Estou lá em cima,



As minhas pernas estão suspensas no ar! Levanto os braços para o céu e soltos gritos!



Gritos de alegria, de amor, de verdade, de liberdade!



Os sons ecoam ao longe e deixam os meu ouvidos a zumbir,



Não digo nada, não refiro o nome de ninguém e não sei porque grito!



Grito simplesmente porque me apetece,



Não são gritos barulhentos, nem assustadores!



São gritos que ao serem proferidos entoam como uma melodia suave e harmoniosa,



São gritos que deixam um aroma doce, suave, uma fragrância única, um aroma especial!



E grito, grito, grito!



Talvez o Mundo me oiça!



Talvez o Universo se reporte para junto de mim e se coloque junto ao meu rosto e perceba o que eu lhe quero dizer!



Talvez quando perceber o motivo dos meus gritos…ele me abrace, me dê as mãos e me proporcione um sorriso daqueles espontâneos!



Talvez ele adormeça com a melodia dos meus gritos,



Ou em contrapartida, solte os mesmos gritos que eu simultaneamente!



O Universo?!



Haverá algum termo que possa definir tamanha grandiosidade?!



Existirão palavras para o descrever?



Sinto agora as minhas mãos quentes…



Sinto um abraço caloroso…



…ele está em mim…está comigo!



Sinto-o…

Sensações Indefinidas...



....noite escura, eu sei...no regresso a casa já de noite, observei a LUA…!

Prefiro a lua cheia, é mais formosa, mais grandiosa, mais poderosa. Ficamos com o nosso ego lá em cima...é detentora de muitos segredos, de grandes paixões, de confissões, de trocas de amor.

Mas hoje, sinto-me particularmente sonhadora, particularmente prepotente. Desconheço a razão, o motivo, a causa...mas estou assim tão abstraída da realidade que consigo sentir raios de sol a perfurarem estas 4 paredes do meu quarto.

Sinto cada raio em cada pedaço meu, seja ele real ou sobrenatural.

Aquece cada pedaço, e sinto os poros a dilatarem, a transpirarem, a expelirem as impurezas contidas em cada um...fruto da fermentação dos meus sonhos, dos meus anseios e das minhas vontades mais puras.


Sacudo-me com fé, com "garra", com vontade e sinto-me pura, sinto-me translúcida...


O sol continua intenso...agora entra mais arrojado pela janela...invade cada sombra que a lua reflecte com o seu luar, e eu duvido da hora em que me encontro, será meio-dia, meia-noite, ou madrugada?

Não sei, mas sinto-me grande, sei que um dia perceberei o significado desta expressão, mas ainda não foi chegado o momento certo.


Poderia chover ou até nevar...mas hoje o dia está lindo, com um sol majestoso, a lua reflectida nas paredes verdes deste quarto tão meu amigo.


Tão sensivel.


Tão meu.

Tão único. :)

quarta-feira, 17 de março de 2010

Às crianças perdidas...que se reecontraram! :)


Vivo um sonho mágico!

A magia é espalhada por onde passo, a alegria é espelida pelos meus poros a cada gesto, a cada respiração minha.

Olho-me com atenção! Contemplo do meu corpo. Não o reconheço. Sinto ter regredido alguns anos na minha existência. A gargalhada, o sorriso, a liberdade, a espontaneadade, a pureza, o fascinio pelo mundo invadem-me. Deixo de ser quem fui...e sim, agora SOU O QUE SOU!

O amor entra em mim...

Incendeia,

Transborda,

É fogo, é água!

Queima e simultaneamente aconchega!

É o amor no estado mais puro e inocente. A criança voltou novamente a mim. Sinto-a! Consigo tocar-lhe! Consigo fixar os meus olhos nela e sorrir-lhe "titanicamente". Ela sente a minha alegria, o meu amor, a minha luz!

Abraçamo-nos,

Beijamo-nos,

Tocamo-nos,

Continua exactamente igual áquele dia em que optou por se esconder por entre a floresta.
Os cabelos escorridos, loiros estão agora mais brilhantes. O sorriso parece mais maduro e o olhar, esse...detêm toda a sua vivência. Viveu na magia da floresta. Por entre árvores, prados, rios, duendes, fadas, anjos e arcanjos.

Ela olha-me agora fixamente. Emociono-me. As lágrimas entrelaçam as mãos e dançam uma dança mágica. Talvez a dança dos anjos! É provavelmente a única que as sustêm e que não as deixa cair ou tropeçar no meu rosto.

- Voltas-te, meu ser? - Perguntei-lhe amorosamente.
- Sim, voltei. -  Respondeu-me.

Fiquei maravilhada com a voz...uma voz diferente, mais terna, mais doce, mais sucolenta. Intrigada e curiosa tentava perceber o porquê daquela chegada tão espontânea e simultaneamente tão natural.

- Porque o fizeste? Porque voltaste a surgir? - Questionei-a, olhando-a com um ar estupefacto.
- Por vários motivos, Otília! Ouvi-te na imensidão da floresta. Estava sentada a pescar e ouvi a tua gargalhada, os teus gritos de alegria e quase que ouvi o som das tuas cambalhotas na relva que pisas.

A música dos anjos terminou. As lágrimas soltaram-se umas das outras e mergulharam no meu rosto. Sentia-as a percorrerem cada recanto.

- Senti-me de novo. Voltei a encontrar-me Otília. Por isso, fiz as malas e resolvi abandonar aquela floresta. Regresso para ficar de novo em ti e na nossa vida.

Abracámo-nos intensamente como se fosse o último abraço possível nesta vida. Senti o coração a estremeçer, a vibração em mim.

- Tive tantas saudades tuas! - Retorqui-lhe.
- Faço das tuas palavras as minhas. Senti saudade, vontade de voltar! Porém, se tivesse vindo mais cedo, sinto que não seria verdadeiramente feliz! É este o momento! Chegou finalmente.

Olhei-a fixamente. Que bonita! A pureza, a verdade, a humildade imperavam nela! Fechei os olhos. Inspirei e expirei fundo. Reconheci aquele instante mágico. Abri os olhos e não a encontrei...

Percorri todo o espaço envolvente numa busca desenfreada e desmedida à sua procura. Em vão! Jã não estava lá...

Chorei...chorei nas margens daquele rio.

Instintiamente levantei-me e desatei a correr...saltei, pulei, dei cambalhotas, gritei!

Mergulhei naquele rio de água gelada...e senti junto de mim a liberdade. Dei-lhe as mãos e deixei-me levar...

De olhos fechados, flutuei naquelas águas "correntes"...e concentrada em nada, ouvi uma voz proveniente do Universo:

- Estou em ti, Otília! Nunca me poderás ver no exterior como há pouco. Voltei e estarei sempre em ti...SENTE-ME simplesmente.
Somos UM ÚNICO SER!